Preciso recomeçar do zero?

Pois é, nas últimas semanas os jornais estão trazendo aquelas notícias que já não estávamos mais acostumados a ver por aqui. O desemprego chegou pra valer. Depois de alguns anos onde o nível de emprego estava positivo, estamos presenciando demissões em massa em todos os setores de nossa economia. Quando navegamos pelo LinkedIn, aquelas trocas de cargo provenientes de promoções, muito comuns nesses últimos anos, deram lugar aos menos empolgantes anúncios de “em busca de novas oportunidades”. Bem, se esse é o seu caso, não vou repetir aqui o velho protocolo utilizado pelas pessoas, quando falam com alguém que acaba de ser demitido, não vou falar sobre injustiça, não vou falar para ter calma, nem vou ficar aqui dando dicas sobre empresas que estão contratando, nesse texto quero simplesmente não dar nenhum conselho, quero apenas te convidar a refletir sobre sua carreira daqui para frente, afinal, é isso que se espera que um Coach faça. Nesse texto, vou ser seu Coach.

Nos últimos meses, venho atendendo alguns clientes que se encontram nessa situação, na sua grande maioria, são profissionais com uma carreira de mais de 15 anos de experiência e que de uma hora para outra, passaram a fazer parte dos índices de desemprego. Geralmente, me procuram para fazer algumas sessões, dizendo que estão confusos, precisando da ajuda de um Coach para ‘organizar’ suas carreiras, muitos chegam a dizer aquela frase, “Tenho que recomeçar do zero”. A primeira coisa que eu pergunto, antes mesmo de iniciarmos o processo de coaching com o cliente é:

Você está realmente recomeçando do zero?

Essa questão de recomeçar do zero, significa que tudo que você já conquistou em sua carreira, passa a não existir mais, será que isso é verdade?

Sabe por qual motivo não digo para não ficarem desesperados?  Simplesmente porque eu não sei como está organizada a vida dessas pessoas. Não sei se essa pessoa é a única fonte de renda da família, não sei se existe alguém doente em casa, não sei qual é o tamanho do ‘tombo’ para cada pessoa. A segunda pergunta que faço é simples, matemática e objetiva:

Por quanto tempo você consegue pagar suas contas com o dinheiro que você tem, sem contar com cheque especial ou limites de cartão?

  A questão de ficar ou não desesperado, depende muito da capacidade de manter a vida financeira com certa ordem por um tempo que você acredite ser adequado para atravessar o período da busca por uma recolocação profissional. Quem tem mais ‘fôlego’, vai ter um tempo para poder escolher maior do que aqueles que estão sem recursos, essa é a grande realidade.

Se o seu caso se encaixa nos que vão conseguir esperar um certo tempo para esta recolocação, assim como a maior parte dos clientes a qual me referi no início do texto, é hora de começar a usar esse tempo para planejar o próximo passo, pois as propostas vão começar a surgir, então é muito bom saber o que você quer para você de agora em diante.

Minha dica para encerrar este artigo é bem simples e bastante esclarecedora em um momento onde precisamos saber o que queremos. Sugiro que você faça 4 pequenas listas, onde serão definidas suas metas de carreira daqui para frente, partindo daquilo que seu antigo emprego lhe oferecia de bom e de ruim também. Cada uma das listas, deve responder uma pergunta específica, com uns 5 itens importantes para você, vamos começar com a primeira pergunta, que será a base para a primeira das 4 listas:

  • O que você tinha em seu antigo emprego e você não quer perder em um novo emprego?

Faça uma lista daquilo que mais lhe agradava em seu antigo emprego. Os principais benefícios, a proximidade de sua casa, os ganhos financeiros, coloque aqui as 5 principais características que realmente você admirava em seu antigo emprego.

  • O que você tinha em seu antigo emprego e não quer mais ter em um novo emprego?

Com certeza essa lista é muito mais fácil de ser elaborada do que a anterior, pois é característica humana, ter uma lista enorme de coisas que não são agradáveis, mas tome cuidado, pontue aqui as 5 características que você realmente não quer ter em seu novo emprego.

  • O que você não tinha em seu antigo emprego mas quer passar a ter em seu novo emprego?

Seja realista, avalie as vantagens que outros profissionais em seu segmento acabam tendo e você não tinha em seu antigo emprego. Quando digo segmento, não faço isso em vão, pois cada segmento tem suas limitações, nem todas as empresas podem ser um Google, por exemplo.

  • O que você não tinha em seu antigo emprego e pretende evitar em seu novo emprego?

Deixe essa lista por último, pois nela você precisa colocar aquelas coisas que você não aceita em hipótese alguma. Aquelas coisas que talvez mexam com seus valores e você não vai aceitar em sua carreira.

Com essa lista em mãos, você vai poder analisar melhor as propostas que receber. Cuidado com a armadilha de basear sua escolha somente no aspecto financeiro, ou em algum benefício isolado, o tempo costuma ser cruel com quem faz isso.

É claro que um processo de Coaching vai muito mais além. Suas crenças limitantes, habilidades e comportamentos são trabalhados, para que ao final você tenha um plano de ação robusto, visando o alcance de uma meta estabelecida e que vá ao encontro de seus valores. Não seria a hora de ir mais a fundo em um plano de carreira?

Espero que tenha sido útil para estruturar a sua reflexão e desejo que tenha muito sucesso em sua nova fase de carreira.

Até a próxima pessoal!

andré

 

André L. G. Ferreira, Coach certificado pela International Coaching Community, Administrador e especialista em Qualidade.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s