Uma vida sem fronteiras…

Desde pequenos, são incutidas em nossa mente as crenças de nossos pais, como o coach André Ferreira menciona no artigo Acredite se quiser, e, conforme vamos crescendo, criamos nossas próprias crenças e limites, principalmente aqueles que são originários das diferenças que eu tenho em relação ao outro.

São as cores, o jeito de pensar, a forma de se vestir, a linguagem a utilizar, e, o que isso tudo tem em comum é que, neste processo de diferenciação, eu me coloco sempre acima ou abaixo do outro, e, convenhamos, nosso ego sempre faz uma forcinha pra nos colocar numa posição acima do outro, como por exemplo: minha faculdade é de uma linha superior, minhas competências são melhores, minhas roupas tem uma marca superior.

Fazendo um paralelo disso com o movimento de transdisciplinaridade atual, que traz a conotação não somente daquilo que está entre as disciplinas, mas também o que está através e além das disciplinas, nos leva a crer que existem diversos níveis de realidade que coexistem, o que é explicado atualmente com a física quântica.

Juntando os diversos níveis de realidade, e os diversos indivíduos e suas características pessoais, o quanto ainda faz sentido essa necessidade de diferenciação para mais ou para menos, para certo ou para o errado, que ainda insistimos em incluir na nossa rotina diária?

Essas fronteiras ainda são necessárias?

É possível viver como o grande ator de sua vida numa grande cena, com outros atores que comungam do mesmo espaço. Também é possível encarar as diferenças como realidades diferentes e concomitantes, recursos individuais disponíveis e necessários naquele exato momento, que simplesmente são novos horizontes a perceber, com a curiosidade de uma criança, e que podem deixar de ser fronteiras a restringir.

sabrina foto

 

Sabrina Green é Psicóloga, Coach pela ICC e especialista em Recursos Humanos

http://www.greendh.com.br

Contato: coaching.green@gmail.com

Anúncios

Um comentário sobre “Uma vida sem fronteiras…

  1. Parece-me indiscutível que vivemos em mundos paralelos, não na idade exata, ma nas relações interpessoais. Os sonhos são bom indicativo de que isso é real. A pessoa estabelecer limites ou fronteiras para sua vida é uma autorestrição com a qual não concordo.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s